Dengue

Dengue

01. O QUE É DENGUE? 

A dengue é uma doença infecciosa causada por um arbovírus (existem quatro tipos diferentes de vírus da dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4) e é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) relata que a dengue está amplamente distribuída nas Américas. Apenas o Canadá e o Chile continental estão livres da doença e seu vetor. O Uruguai não tem casos registrados de dengue, mas tem a presença do mosquito Aedes aegypti. 

 

02. COMO A DENGUE É TRATADA?

Todas as pessoas com febre de menos de sete dias durante uma epidemia ou por casos suspeitos de dengue, cuja evolução não é possível predizer, devem procurar tratamento médico onde algumas rotinas estão estabelecidas para o acompanhamento, conforme a avaliação clínica inicial e subseqüente, quanto a possibilidade de evolução para gravidade. A hidratação oral (com água, soro caseiro, água de coco), ou venosa, dependendo da fase da doença, é a medicação fundamental e está indicada em todos os casos em abundância. Não devem ser usados medicamentos à base de ácido acetil salicílico e anti-inflamatórios, como aspirina e AAS, pois podem aumentar o risco de hemorragias.

 

03. QUAL MOSQUITO TRANSMITE A DENGUE? 

O mosquito transmissor da dengue é o Aedes aegypti, uma espécie hematófaga originária da África que chegou ao continente americano na época da colonização. É facilmente reconhecido pelo tamanho pequeno, cor geral marrom médio, apresentando uma nítida faixa curva, branco-prateada de cada lado do tórax e outra mais fina, reta, longitudinal, central, as quais formam a figura de uma lira. 

 A transmissão se dá pela picada do mosquito fêmea infectado pelo vírus, que se infecta picando pessoas doentes. Não há transmissão pelo contato de um doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, nem fontes de água ou alimento. 

 

04. O QUE PODEMOS SABER SOBRE O Aedes aegypti?

Possui hábitos diurnos, ou seja, alimentação, reprodução e oviposição (postura de ovos) ocorrem durante o dia. O mosquito adulto vive, em média, de 30 a 35 dias na natureza. Os ovos são distribuídos por diversos criadouros, estratégia que garante a dispersão e preservação da espécie. A fêmea se alimenta de sangue humano a cada 3 dias em média e uma fêmea infectada pode ter várias alimentações sanguíneas curtas em diferentes hospedeiros, disseminando assim o vírus. OVOS LARVA PUPA MOSQUITO ADULTO 7 DIAS O mosquito transmissor da dengue é o Aedes aegypti, uma espécie hematófaga originária da África que chegou ao continente americano na época da colonização. É facilmente reconhecido pelo tamanho pequeno, cor geral marrom médio, apresentando uma nítida faixa curva, branco-prateada de cada lado do tórax e outra mais fina, reta, longitudinal, central, as quais formam a figura de uma lira. Em nosso país este mosquito tem como criadouros preferenciais os mais variados recipientes de água domiciliares e peridomiciliares: pneus sem uso, latas, garrafas, pratos com vasos, caixas d’água descobertas, piscinas sem uso, ralos desativados, calhas, lages, bromélias, ocos de árvores, etc. O ciclo do mosquito acontece em aproximadamente sete dias. Por isso, é tão importante analisar semanalmente sua casa, seu quintal e seu ambiente de trabalho.

 

05. QUAIS OS SINTOMAS DA DENGUE?

O doente pode apresentar sintomas como febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, náuseas ou até mesmo não apresentar nenhum sintoma. O aparecimento de manchas vermelhas na pele, sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes podem indicar um sinal de alarme para dengue hemorrágica. Esse é um quadro grave que necessita de imediata atenção médica, pois pode ser fatal.

É importante procurar orientação médica ao surgirem os primeiros sintomas, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas com outras doenças, como febre amarela, malária ou leptospirose e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.

 

06. O QUE FAZER SE TIVER OS SINTOMAS DA DENGUE? 

 Se você esteve, nos últimos 14 dias, numa cidade com presença de Aedes aegypti ou com transmissão da dengue e tiver os sintomas citados acima, procure imediatamente a unidade de saúde mais próxima. Evite o uso de medicamentos a base de ácido acetilsalicílico (AAS, Melhoral, Aspirina) e anti-inflamatórios.

 A doença é confirmada através de um exame de sangue, realizado gratuitamente pela rede básica de saúde, pelo pedido do médico. Em municípios com transmissão da doença, a confirmação pode ser através dos sintomas apresentados e avaliação médica.

 

07. COMO SE CONFIRMA A DOENÇA?  

A doença é confirmada através de um exame de sangue, realizado gratuitamente pela rede básica de saúde, pelo pedido do médico. Em municípios com transmissão da doença, a confirmação pode ser através dos sintomas apresentados e avaliação médica.

 

08. QUEM PODE TER A DOENÇA? 

Qualquer pessoa pode contrair a doença, independente de sexo e/ou idade. 

 

09. COMO EVITAR A DENGUE? 

A única maneira de evitar a dengue é não deixar o mosquito nascer, para isso:

-Descarte o lixo corretamente. Em sacos bem vedados e fora do alcance dos animais até o recolhimento;

-Evite cultivar plantas que acumulam água, como bromélias;

-Elimine qualquer objeto que possa acumular água, como as partes de garrafas de vidro utilizadas em cima dos muros;

-A água da piscina precisa ser tratada com cloro ao menos uma vez por semana;

-Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda;

-Mantenha os ralos vedados e desentupidos;

-Não acumule pneus velhos. Se tiver, mantenha-os secos e abrigados da chuva;

-Não esqueça de manter sempre vedado os locais de armazenamento de água, e lave com escova a parte interna pelo menos uma vez por semana;

-Mantenha as calhas limpas e secas, com inclinação adequada para o escoamento total da água;

-Cubra o "ladrão" com tela e retire a água da laje. Mantenha a caixa d'água com a tampa completamente vedada;

-Troque a água diariamente e lave com escova os potes de água e comida dos animais uma vez por semana.

 

No caso de dúvidas ou denúncias sobre a Dengue em São Francisco do Sul:

Vigilância Epidemiológica

vesfs@saofranciscodosul.sc.gov.br

fone/whatsapp - (47) 99139-9157

Vigilância em Saúde Ambiental

vig.saudeambiental@saofranciscodosul.sc.gov.br

 

CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO DE INSETICIDA "FUMACÊ" NO CONTROLE DO MOSQUITO AEDES AEGYPTI (DENGUE).

Conforme vem sendo informado e visualizado no município de São Francisco do Sul, a Vigilância em Saúde Ambiental/Endemias, teve a necessidade de adotar o uso de inseticidas por ultra baixo volume – UBV, vulgo "fumacê", para combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras enfermidades.

Convém esclarecer que os produtos em uso são fornecidos pelo Ministério da Saúde e passam por criteriosa avaliação quanto a eficácia e segurança de uso e seguem rigorosas regras quanto a sua utilização.

Tais atividades ocorrem somente em condições climáticas favoráveis, por exemplo ausência de chuva e vento e em horários específicos de início da manhã e término da tarde, para que o produto tenha máxima eficácia sobre o vetor.

Pode ser realizada por meio de bomba costal em áreas menos extensas ou por bomba em veículo – UBV pesado, em áreas extensas, neste caso realizado diretamente pelas equipes da Vigilância Epidemiológica Estadual.

Essa é a medida mais extrema no enfrentamento ao Aedes aegypti e é exclusivamente realizada quando além da presença do inseto, também há casos clínicos da doença naquela proximidade, ou seja, é reduzido momentaneamente a infestação do Aedes adulto, para que se implante as medidas fundamentais de eliminação dos criadouros, que são os locais com água limpa e parada, nada adianta tal trabalho caso não se elimine os depósitos criadouros, assim se esta havendo essa atividade na sua rua, significa que existe o mosquito e a doença por perto.

O "fumacê" não possui efeito residual no ambiente, assim se não eliminar os criadouros, em poucos dias temos novamente uma população adulta de insetos e o retorno da circulação da doença.

Também o inseticida não é voltado ao "pernilongo" comum (Culex) e sim ao de interesse em saúde pública, Aedes aegypti.

Considerando que no último levantamento de índice de infestação, 90% dos focos se encontravam em residências e o mosquito necessita se alimentar de sangue humano para se reproduzir, ele esta próximo das pessoas, torna-se fundamental a ação individual na sua residência ou local de trabalho em prol do coletivo, pois o fumacê atua momentaneamente no problema, porém só se resolve atuando na origem, que são os locais de água limpa e parada."

 

 

 

 

 

 

Ir para página inicial

Aguarde